How DoSomething uses design to empower young advocates

It’s hard to grab people’s attention on social media. Distractions and engaging content lie at every turn — especially for young consumers who often live life on their phones. That’s why nonprofits need to use visually enticing designs to get their messages across. is a nonprofit that empowers young people across the globe to get involved in something bigger than themselves—both online and off—and drive positive change.

DoSomething blog banner

DoSomething blog banner

And they use design to help make it happen.

“At, we know young people want to get involved in their communities. In fact, 98% of them do; they just don’t know how,” said Keri Goff, Creative Director at “That’s where we come in. It is our job to empower young people and give them actions they can take in their communities and the world, to make it a better place.”

The nonprofit hosts a wealth of campaigns that young people can take part in, such as Treats for Troops, a Halloween candy drive for military service members; Caption Obvious, which helps YouTubers make better captions for deaf viewers; and Shower Songs, which uses music to help people take shorter showers.

With over 5.5 million participants, has already clothed half the young people in America’s homeless shelters, cleaned up 3.7 million cigarette butts from the streets, and hosted the largest youth-led sports equipment drive in the world.

As Goff said, “A unique challenge we have at DoSomething is the fact that we are ‘cause agnostic.’ We don’t just focus on the water crisis, education, or the school-to-prison pipeline….we cover it all.”

And they’re just getting started.

Here’s how uses design to empower young advocates to get involved in their communities and make a difference.

Be relevant, inspiring, and never just “meh”

The first rule of marketing is to know your audience. For, that core demographic is young people aged 13-25. And the team knows they only have a couple of seconds to grab their attention.

DoSomething Twitter Header

DoSomething Twitter Header

“Their social feeds are already so crowded with content from their friends as well as sponsored content from brands,” Goff said. “So how do we stand out?”

The answer is with three brand tenets: relevant, inspiring, never just “meh.”

“The Creative Team always has these three on our mind and I’m probably two seconds away from getting it as a tattoo,” Goff said. “For young people, it’s all about disrupting their space and creating content they want (or never knew they needed).”

For example, in preparation for the 2017 holiday season, created an infographic guide called “9 Tips for Surviving Political Conversations With Your Family During the Holidays.” It uses simple design, bold text, and Fall colors to help young people turn uncomfortable situations into opportunities for productive and valuable conversations.

Get the look and build your own holiday-themed graphic in Canva with templates like Orange and Browns November Charity Infographic and Classic Pumpkin Pie Recipe Infographic.

This guide was released as a part of the Defend Dreamers campaign, which empowers people to protect and show gratitude for young undocumented immigrants brought to the US as children.

The campaign also included printable and shareable flyers like this one, which encouraged people to support Deferred Action for Childhood Arrivals (DACA) with a simple text.


#DefendDreamers: Facebook post shared by DoSomething

This content is eye-catching, topical, and easy to digest. Despite its serious nature, it holds its own in a social feed that might include pictures from a friend’s party or fun animal videos.

As Goff said, “It is our job to stay on top of new design trends and follow brands that our demographic follows. That way we can always have a competitive edge with the content we are creating.”

These brand tenets are also evident in two other recent campaigns: Thumb Wars, which aims to stop texting and driving, and Planet Zombie, which spreads awareness about the dangers of climate change.

“For Thumb Wars and Planet Zombie, our designer took the illustration approach,” Goff said. “This helps take serious topics like texting and driving and climate change and make them more approachable and relatable.”

Take this Instagram Story for Thumb Wars:

And this interactive SMS game for Zombie Planet:
Backed by these fantastical and compelling designs, the campaigns flourished, inspiring over 80,000 participants each.

Go to where your audience is

This is another tenet of the creative team: “Go to where they are.” In other words, find out where your audience is active and meet them there. This is especially important for reaching young audiences, who are often active on social media.

“We are constantly building content for specific demographics,” Goff said. “We know that young people don’t consume content the way old people do (and don’t get offended – anyone over 25 is considered an old person at DoSomething).”

That’s why, to reach young people, creates social graphics.

Take this interactive Twitter graphic inviting viewers to guess what’s under the black censor bar. As the accompanying text states, users can text “FOMO” or visit the campaign page to find the answer: “drive without a seat belt.”

DoSomething Twitter

Twitter post shared by DoSomething also releases enticing Instagram graphics to keep audiences informed about current world issues. On Instagram, for example, the nonprofit ran the “Dreamers Series” featuring quotes from DoSomething members affected by DACA and the Development, Relief, and Education for Alien Minors Act, otherwise known as The DREAM Act.

DoSomething IG

Instagram post shared by DoSomething

Create your own quote graphics in Canva with templates like Timeless Minimalist Instagram Post and Blue Typographic Inspirational Instagram Post. takes a different approach, however, when reaching older audiences. For instance, they release Quarterly Dashboards for partners and donors who want to stay up to date on the nonprofit’s progress and impact.

Here’s a look at the biannual dashboards for 2017. It includes everything from campaign overviews and corporate partners to select campaign participants and new team members.


Create your own reports in Canva with templates like Black Corporate Company Annual General Sales Report and Yellow and White Circle General Report.

This content takes longer to consume, but it still holds readers’ attention with a strong color palette, original photography, and an intuitive layout.

“When we design for ‘old people,’ we know we have more time with their attention spans before they decide to move on to something else,” Goff said. “Content we tend to create for this audience can vary between bi-annual dashboards reviewing all of our accomplishments, advisory board documents, and events such as our annual gala or summit.”

Put the power in supporters’ hands knows it’s not enough to just reach young audiences online. You also have to empower them to take action. After all, the name of the company is DoSomething, not ConsumeSomething.

That’s why the design team arms its content with calls to action that inspire people to get out and make a difference. For instance, they distribute invitations to in-person events, like this Facebook graphic promoting a bootcamp program for budding changemakers.

Social Impact Bootcamp

DoSomething’s Social Impact Bootcamp: Facebook post shared by DoSomething

They also post Instagram graphics like this one encouraging viewers to not just be aware of global issues but also help those in need. This post pointed to a link in the @DoSomething bio with resources on how to aid people affected by the hurricane.

Irma Instagram

Instagram post shared by DoSomething

Create your own Instagram graphics in Canva with templates like Building Perspective Instagram Post and Dark Green and Red Public Service Announcements Instagram Post.

Design with purpose

After all, design can be pretty and it can stop your scrolling thumbs. But without heart, without a purpose, without a reason for existing, it won’t keep people interested. And it won’t inspire them to share and make a difference. Only after infusing your content with purpose will you build an engaged audience of advocates and supporters.

As Goff said, “I was told earlier on in my career to ‘design with purpose’ and that has always stuck with me.”

That’s why, no matter what content she’s creating, she’s always thinking about the following questions:

  • Does it evoke emotion? (Does it make you happy, mad, or sad?)
  • Does it give the audience a reason to care?
  • Is it relevant to the time, platform, and audience?

As the above graphics show, the answers to these questions can — and should be — “yes.” With this approach, DoSomething can inspire an entire generation of activists and effectively complete its mission: “creating the most socially conscious, socially responsible, socially active generation of young people the world has ever seen.”

The post How DoSomething uses design to empower young advocates appeared first on Learn.

Source link

Novidade no Instagram: “Lojas” permite que você crie sua própria vitrine e venda pela rede!

Se você leu nosso post recente sobre as tendências do Instagram para 2018, já sabia que uma das novidades esperadas para esse ano são as compras pelo aplicativo, uma proposta em direta concorrência com a possibilidade de fazer compras pelo Pinterest.

Bom, essa tendência finalmente está sendo posta em prática. Se antes a parceria do Instagram com a Shopify permitia usuários nos EUA fazerem uma compra integrada, agora a novidade vem sendo posta em prática e expandindo ainda mais.

O Instagram apresentou hoje (20 de março de 2018) um novo recurso que permite que os usuários façam compras pelo próprio aplicativo em posts orgânicos.

Shopping on Instagram   Shopping on InstagramIsso traz um grande potencial para as marcas, já que isso facilita a relação de compra e venda, permitindo que os usuários usem somente a plataforma para realizar a compra.

Atualmente o Instagram é a segunda rede social mais usada pelas marcas brasileiras, com 80,2% das empresas respondentes da Social Media Trends 2018 afirmaram usar a rede para seus esforços de marketing digital.

O grande potencial da novidade é criar posts clicáveis que oferecem informações do produto e encaminham para a compra e isso tudo sem a necessidade de criar um anúncio: ou seja, resultados orgânicos para sua loja.

Antes de conhecer mais sobre a novidade, recomendo o download do ebook Como melhorar os resultados orgânicos no Instagram.

Como melhorar seus resultados orgânicos no Instagram ebook

Agora que você já sabe como deixar seus resultados orgânicos no Instagram, vamos entender como funciona o recurso para você usá-lo da melhor forma para gerar resultados para seu negócio online.

Lojas no Instagram: entenda tudo sobre o recurso

Agora, ao entrar no perfil da marca, o consumidor verá uma nova aba: “Loja”.

Ao clicar nesse item, o usuário é encaminhado para um novo novo feed de postagens, só que esse é para os posts da loja da marca no Instagram.

Ao selecionar uma foto, o usuário pode clicar sobre os itens e ver detalhes das peças por meio de um balão de informação, que oferece especificamente o nome da peça e o preço.

Loja no Instagram  Loja no InstagramAlém disso, há uma seta clicável que permite que o usuário encontre mais informações: uma descrição breve do produto e um botão de “Comprar agora” que encaminha diretamente para a peça no site da marca.

Loja no Instagram

Como sabemos, o Instagram disponibiliza assunto clicável apenas na bio e para Stories de contas com mais de 10 mil usuários. Fora isso, é necessário criar anúncios. Assim, a possibilidade de link clicável é um grande adicional para as marcas na rede.

Mas como usar a loja do Instagram para alavancar suas vendas?

O primeiro passo é fazer com que as pessoas conheçam sua loja. Para isso, faça uma postagem no seu feed e crie Stories que mostrem a novidade para os seguidores. Uma boa ideia pode ser também fazer mais postagens exclusivas na loja no início, convidando as pessoas a verem.

E aí, gostou dessa novidade? Ela vem para tornar o Instagram cada vez mais uma plataforma essencial para as marcas. Se você quer conhecer outras estratégias de vendas na rede, confira nosso post completo sobre o assunto.

Source link

McDonald’s inverte seu logotipo em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

É muito comum vermos ações criativas de diversas empresas para o Dia Internacional da Mulher, comemorado em 08 de março.

Mas, de todas as ações que você verá nesse dia, dificilmente encontrará uma tão impactante quanto à do McDonald’s.

Em uma ação inusitada e inédita, a marca inverteu os clássicos arcos dourados que formam um “M” para que eles sejam vistos como um “W” (referência à palavra “women“, mulheres em inglês).

Algumas lanchonetes na Califórnia, EUA já estão com seus letreiros trocados, causando curiosidade e admiração por quem passa no local.

Além disso, o logotipo foi alterado também no site oficial da marca, que conta com uma página específica onde traz detalhes da ação.

O vídeo abaixo (em inglês) conta alguns detalhes dos bastidores da ação e traz a inspiradora história de Patricia Williams, que junto com suas filhas comandam 18 lanchonetes no McDonald’s. Confira:

O post McDonald’s inverte seu logotipo em comemoração ao Dia Internacional da Mulher apareceu primeiro em Designerd.

Source link

Como um Designer Pode Usar Técnicas de Copywriting

Você já sabe que produzir conteúdo é fundamental para um designer freelancer ou empreendedor criativo. Mas você usa técnicas de copywriting para atrair os clientes ideais? Descubra como usá-las para separar os bons clientes dos que só te dão dor de cabeça.

O que é copywriting?

Copywriting é a criação de palavras que levam pessoas a tomarem ações.

Como um designer freelancer ou empreendedor criativo, você deve usar as técnicas de copywriting com o foco na conversão, normalmente para levar seus clientes potenciais a comprarem.

Na internet, você pode usar as técnicas de copywriting em suas landing pages, pop-ups, formulários e afins, com o objetivo de levar o visitante ou usuário do seu site a tomar alguma ação, como por exemplo, se inscrever na sua lista de e-mails. Você também pode criar materiais educativos e persuasivos para seus clientes. Esse conteúdo precisa passar para os leitores a ideia de que o produto ou serviço oferecido é necessário e que esse leitor precisa adquiri-los.

Mesmo que muitas vezes sejam gratuitos, são estes conteúdos que vão educar os clientes em direção a seus produtos e serviços.

Outros lugares onde você pode usar as técnicas são em suas redes sociais, dentro de seus eBooks, e assim por diante.

Nosso parceiro Rafael Albertoni explica no vídeo abaixo que quem leva o consumidor a realizar essa ação é o copywriter, ou seja, o profissional responsável pela criação de conteúdo usando as técnicas de copywriting.

E claro que você como um designer freelancer ou empreendedor criativo também pode aplicar estas técnicas ao seu dia a dia. Ao usar as técnicas de copywriting, use os chamados gatilhos mentais para levar o leitor a realizar alguma ação. Por exemplo, você pode escrever com o propósito de criar maior afinidade com a persona, usar um CTA (call to action) para dar a ideia de urgência, informando que as vagas para seu curso estão acabando. Falando em curso, confira esse artigo para aprender a criar o seu curso como criativo freelancer.

Como usar técnicas de copywriting?

Confira como usar algumas técnicas de convencimento com seu público-alvo.

1. Seja intencionalmente persuasivo

Essa é uma habilidade fundamental para os designers freelancers que querem levar seus negócios para o próximo nível. Trata-se da sua capacidade de fazer com que o leitor acredite e concorde com o que está lendo. Seja bom com as palavras, além do design. Isso ajuda seu cliente a confiar em você.

A sua proposta comercial e seu contrato não podem ter erros de português. Seus e-mails também não. Todas as frases devem começar com letra maiúscula e terminar com um ponto final. Isso é o mínimo, e você se diferencial intencionalmente quando tem uma gramática melhor, e usa técnicas de copywriting em todos seus materiais comerciais.

Reflita sobre o que precisa escrever para não soar como uma propaganda. As pessoas estão cansadas de fornecedores que só falam sobre o que querem vender sem encaixar essa necessidade no dia a dia delas, nos seus hábitos e gostos pessoais. Use seu mapa de empatia ou buyer persona e encontre o equilíbrio entre essas peculiaridades do seu cliente.

Além de conhecer seu cliente a fundo, quebre o texto em parágrafos curtos e destaque as partes importantes em negrito para facilitar a leitura. A maioria dos leitores escaneiam o texto e não leem palavra por palavra, assim, você oferece a seus usuários uma alternativa para entender o conteúdo de uma forma mais rápida e fácil.

2. Escreva de forma original

Ao criar um conteúdo para seu blog, não adianta alterar algumas palavras e fazer uma “quase cópia” com o objetivo de passar com louvor pelas ferramentas de plágio.

De nada adianta trazer o mesmo conteúdo, ou seja, a mesma informação com outras palavras. Inove, e disponibilize além de informações inovadoras, novas ideias. Escreva um conteúdo para seu cliente através do seu vasto conhecimento sobre o assunto e experiência na área.

Além disso, é muito provável que quem foi copiado acabe descobrindo, mais cedo ou mais tarde, sobre o conteúdo original e que, no final das contas, você fez um texto praticamente igual. Isso mancha a sua reputação e faz com que as pessoas não valorizem o seu trabalho.

3. Conte uma história

Quando uma história é bem contada, dificilmente nos esquecemos dela, especialmente se essa história tem algo a ver com o nosso dia a dia. Essa é uma das técnicas que você pode usar para persuadir o leitor e torná-lo um lead ou um cliente.

Essa é uma forma de envolver o leitor e de fazer com que ele ame o conteúdo e, por tabela, passe a amar seus serviços também. Deixe o seu texto mais humanizado e próximo das pessoas, criando uma intimidade com elas.

Podemos contar essa história dando exemplos e se for sobre algo que você tenha vivência ou amplo conhecimento, melhor ainda. Quanto mais compatível com a realidade ela for, melhor para você que se destaca como designer freelancer ou empreendedor criativo.

4. Crie um bom CTA

Não se esqueça de acrescentar no texto um CTA (que em bom português quer dizer chamada para ação). É por meio dessa técnica que você fará o leitor agir depois de ler o seu conteúdo.

Ele deve ser objetivo, claro e enfatizar os benefícios que aquela ação trará para o leitor. Seja curto e direto ao ponto. O tipo de CTA deve ser escolhido de acordo com a persona e o tipo de texto que está escrevendo. É necessário analisar alguns fatores como:

  1. Estágio de funil no qual a persona se encontra: por exemplo, não é de bom tom um CTA pedindo para o leitor entrar em contato com a empresa se a persona ainda se encontra no topo do funil;
  2. Deve estar de acordo com tema escrito: não tem lógica adicionar um CTA, por exemplo, sobre hipertensão arterial se o assunto do texto é sobre osteoporose. Por mais que os temas envolvam a mesma área, não há conexão relevante entre eles;
  3. Estrutura da página: é necessário ficar atento ao tipo de página que seu conteúdo possui. Se ele não tem espaço para comentários ou se não tem como responder, um CTA induzindo o leitor a comentar não será possível;

A partir disso, você pode determinar qual será o tipo de CTA que colocará na página, como por exemplo:

  • seguir nas redes sociais
  • compartilhar o post nas redes sociais
  • assinar sua newsletter
  • fazer um teste ou avaliação gratuita
  • entrar em contato com você
  • solicitar um orçamento
  • baixar um material
  • comentar no post
  • assinar uma sequência de autoresponder
  • fazer o download de um ebook

5. Seja criativo

A criatividade precisa acompanha o freelancer criativo e designer empreendedor todo santo dia. Quando a mente cansa, é preciso buscar alternativas para resolver o problema.

Existem diversas formas de trabalhar para expandir a sua criatividade. Nosso cérebro é um músculo e, assim como qualquer outro, forma novas conexões e se hipertrofia quando é trabalhado continuamente.

Podemos usar algumas técnicas bem simples, no nosso dia a dia, para sermos mais criativos. Faça perguntas para si mesmo sobre os mais diversos assuntos, não se contente apenas em ler algo e interpretar, passe a refletir sobre o que leu. Veja outras técnicas que te ajudam a prevenir os bloqueios:

  • Seja mais flexível com as coisas que aprende: o mundo não é preto e branco e há outros caminhos que podem ser seguidos para alcançar o objetivo;
  • Descanse a sua mente: da mesma forma que o nosso corpo cansa, a mente também fica cansada, especialmente porque estamos falando de um órgão que trabalha 24 horas, 7 dias por semana. Portanto, é importante dar uma pausa, relaxar, fazer coisas que te dão prazer como assistir a um filme, sair com os amigos, ir à praia, entre outras;
  • Aprenda a meditar: já é comprovado que meditar ajuda a melhorar a região da criatividade que existe na nossa mente. Essa prática elimina diversas informações inúteis que armazenamos durante o dia e abre espaço para a criatividade;
  • Leia com frequência e busque inspiração em coisas simples.
  • Pense como uma criança. Elas conseguem ser criativas usando objetos e pensamentos menos complexos.

6. Entenda de SEO

No copywriting as técnicas de SEO (Search Engine Optimization) são essenciais. Você precisa utilizar de forma adequada as palavras-chaves, em locais estratégicos no texto para que esse conteúdo consiga ranquear bem nas páginas do Google. Isso consegue levar maior visibilidade para o seu negócio freelancer, que passa a ser conhecido e pode se tornar referência no mercado em que atua.

Mas não é apenas a palavra-chave que precisamos levar em conta. Há outros fatores como links internos e externos que devem ser feitos, o tamanho do conteúdo e o principal: a qualidade.

Quanto mais qualidade o seu texto tem, quanto mais ele é relevante para os leitores, mais fácil é para o Google ranquear bem. Quando ele compreende que as pessoas gostam do seu conteúdo, ele passa a aparecer nas primeiras posições, nas primeiras páginas.

Como usar técnicas de copywriting criativamente?

Existem cursos específicos sobre copywriting como o do nosso amigo Rafael Albertoni, Conrado Adolpho, e outros no mercado. Livros específicos também podem ajudar e, principalmente, escreva mais. É como já diz a frase: a prática leva a perfeição. Quanto mais você pratica, mais consegue identificar os erros, especialmente os bobos que devem ser identificados prontamente.

Lembre-se de usar o seu poder de persuasão sem ser apelativo. Atinja o emocional da persona de forma equilibrada e sutil.

Muitas pessoas não consomem pela necessidade, mas sim por causa do fator emocional. Quer um exemplo simples? Quando você está com fome, poderia comer uma fruta, um pão, qualquer coisa que simplesmente acabasse com essa sensação. Mas aí vem a questão emocional. Você não quer pão, quer um belo sanduíche do McDonald’s suculento, com bastante molho e uma bela Coca-Cola.

Por fim, mas não menos importante, ofereça qualidade nos seus serviços. Para ser reconhecido como um bom profissional e ser procurado por clientes que te valorizam, você precisa valorizá-los também.

Escreva com calma, revise o conteúdo e faça uma boa pesquisa. Além disso, fique sempre atento ao prazo de entrega e caso não possa cumpri-lo, avise para que o cliente consiga se organizar. Faça disso uma exceção e não uma regra, afinal de contas, todos têm os seus próprios compromissos e cumprir prazos é de extrema importância.

Foto do Alex Kotliarskyi no Unsplash

The post Como um Designer Pode Usar Técnicas de Copywriting appeared first on Vitamina Publicitaria.

Source link

Repórter da Agência Brasil em SP é demitido por matéria crítica a governo Alckmin

Em mais um episódio de interferência política na EBC desde o golpe de 2016, o jornalista Décio Trujillo Junior, repórter da Agência Brasil em São Paulo, foi demitido nesta quarta-feira (28/2) após reclamações da Agência Nacional de Águas (ANA) sobre uma matéria sob sua responsabilidade.

Segundo o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, a ANA apresentou uma queixa formal à EBC, que mantém a ABr, por conta de uma imprecisão que de fato havia na matéria. Entretanto, a demissão de um jornalista da agência extrapola a reclamação e sinaliza uma submissão direta da linha editorial aos aliados da junta golpista, como o PSDB.

O SJSP informa que, desde janeiro, a EBC mantém um contrato com a ANA para promover o Fórum Mundial da Água, que ocorre este mês em Brasília. Desde então, a ABr e outras redações da empresa pública vêm produzindo “conteúdos favoráveis” ao evento. O valor do contrato, segundo o sindicato paulista, é de R$ 1,8 milhão. A EBC possui uma filial para prestar serviços de conteúdo a órgãos públicos, a EBC Serviços, separadamente da função informativa e jornalística da Agência Brasil.

O Fórum é organizado pelo Conselho Mundial da Água, cujo presidente, Benedito Braga. acumula o cargo de secretário de recursos hídricos do governo estadual de Geraldo Alckmin (PSDB).

A matéria da ABr que atiçou os brios tucanos foi “Apesar de obras, São Paulo ainda precisa de chuva para evitar nova crise hídrica”, distribuída no domingo e ainda no ar. O texto é assinado por Ludmilla Souza. O trecho questionado afirmava que “hoje, em pleno verão, o reservatório da Cantareira, o principal da metrópole, apresenta os mesmos níveis da fase anterior ao início da crise, quatro anos atrás”. Mesmo após a remoção desse trecho, Trujillo Jr. foi demitido.

Charge do cartunista espanhol JR Mora. Original aqui.

De acordo com o SJSP, jornalistas da ABr vêm questionando o contrato e pedindo que “seja sinalizado ao leitor de que se tratam de conteúdos pagos e com aprovação prévia de um cliente“, além de permitir aos repórteres escolher se assinam ou não as matérias contratadas.

Segundo o website Poder360, o gerente-executivo da ABr, Alberto Coura, na sexta-feira passada (23/2), queixou-se em um grupo de WhatsApp de gestores da EBC de que haveria uma “rebelião” dos repórteres em relação aos informes publicitários.

Esta é a segunda demissão na redação da Agência Brasil em São Paulo desde o golpe. Em março de 2017, o o jornalista André Muniz de Souza foi demitido da gerência de redação da agência em São Paulo após cobrir um protesto do Movimento dos Sem-Teto (MTST) na cidade.

Há exatamente um ano (1º/3/2017), a ABr já sofrera por uma reestruturação administrativa, acabando com a coordenação geral das sucursais (Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo) e transformando as coordenações regionais de pauta em gerências.


Source link

Facebook Jobs: nova ferramenta chega para ser concorrente do LinkedIn

Depois de várias alterações de algoritmo do Facebook, agora chega a notícia de uma nova ferramenta desta rede social. E não se trata de filtros, inclusão de histórias ou similares, mas uma plataforma de busca e aplicação de emprego!

A nova função dos domínios de Zuckerberg é intitulada Jobs e já foi lançada nos Estados Unidos e no Canadá, em 2017. Hoje, quarta-feira (28) a funcionalidade foi disponibilizada para outros quarenta países, que incluem: Alemanha, Reino Unido, Espanha, França e Brasil!

Mas como vai funcionar essa nova seção do Facebook? Qual o objetivo dela? Leia até o fim que você vai entender!

Seria o fim do LinkedIn?

O objetivo do Facebook Jobs é, claramente, mirar parte do público do LinkedIn que está insatisfeita com ele, já que esta rede social acaba não satisfazendo os trabalhadores e recrutadores que estão a procura de (ou oferecendo) oportunidades em empresas de pequeno e médio porte.

Candidatos buscando vagas nesses perfis não costumam ter currículos extensos como os que o LinkedIn disponibiliza. Para reforçar essa ideia, o vídeo oficial de demonstração do Jobs do Facebook mostra um recrutador disponibilizando uma vaga de operador de caixa e, logo em seguida, como funciona o processo de candidatura. E tudo isso sendo feito através de um smartphone! Veja abaixo:

Portanto, inicialmente as duas mídias irão coexistir e disputarão públicos diferentes. Mas conhecendo o Mark Zuckerberg, é de se esperar que sejam feitos novos investimentos buscando fazer frente ao LinkedIn.

Como funciona o Facebook Jobs

As páginas de empresas ganharão um novo botão, que vai permitir divulgar as vagas. Na versão em inglês da ferramenta, basta o recrutador ir em Create job:

facebook jobs

Em seguida, já aparece a seguinte janela, onde você poderá inserir as informações e exigências do cargo:

facebook jobs

Após preencher todos os dados, que incluem título do trabalho, local, salário, tipo de trabalho e detalhes — incluindo pré-requisitos e detalhes sobre a função a ser desempenhada — o Facebook já gera uma publicação pronta para ser divulgada. Veja no vídeo abaixo como funciona todo o processo:

(function(d, s, id) var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); = id; js.src = ‘’; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Job post creation flow (desktop)

Posted by Facebook Business on Tuesday, February 7, 2017

Após seguir esses passos, é só revisar sua postagem e está pronta a divulgação da sua vaga!

E você, o que achou da nova funcionalidade do Facebook? Aproveite para encontrar sua vaga dos sonhos ou até mesmo anunciar uma vaga da sua empresa na plataforma do Rock Jobs!

rock jobs

Source link

15 Practical Ways to Make the Learning Process More Visible

Sometimes, in our efforts to teach students a great deal of information in a short period of time, we overlook the importance of teaching them about the learning process itself.

In doing so, we miss out on an opportunity to enhance learning: while exams help us determine how well a student has mastered a topic, they don’t offer much insight into how the student reached that particular level of comprehension, which is essential knowledge if we want our students to become better learners.

That’s where visible learning comes in. Making the learning process more visible means uncovering the steps—or missteps—a student took to reach a certain level of knowledge. It also places learning into the hands of students themselves, so they can witness their own process and cultivate self-improvement strategies that support lifelong learning.

The good news is, we don’t have to create an extra set of lessons to teach students about the learning process—we can simply hand them the tools to take a look for themselves.

Here are a few techniques to create a visible learning environment in your classroom:

01. Create a learner identity with a personal page

Do your students see themselves as more than students—as learners with an identity of their own, with a sense of direction and ownership over their education? Encouraging students to form a “learner identity” will help them fuse the notion of lifelong learning with their current studies, and to see themselves as active participants in a process that extends beyond a single unit, class, or school year.

The best way to create a learner identity is, of course, to visualize it. Try drawing inspiration from blog-style personal pages and personal brand design. Students can display the following information:

  • What topics they know about already
  • Which topics they want to learn more about
  • What learning goals they have

Get started with a Personal Learner template like this one, which students can customize to reflect their own learning background and goals.

Learner Profile template

02. Display background knowledge with an infographic

Having students present their existing knowledge of a topic before you help them build upon it will serve learning in the long run.

Sometimes students know more about a topic than they think, and it’s important for them to dust off that foundation before moving forward so they know which questions they want answered. It’s also important for you to assess what level students are at so you can build your course accordingly.

Draw inspiration from an infographic like this Chicago City Guide, where students can present the facts they already know about a topic.

Infographic - Chicago City Guide

03. Celebrate learning goals with a poster

Why should celebrations always come at the end? One way to make the learning process more enjoyable is to make goal-setting fun and festive, which will then motivate students to see those goals through.

Have students create posters at the start of the term or unit which celebrate the learning to come.

Involve yourself in the celebration, too: you can create a teacher’s poster showing what you hope your students will learn, and students can brainstorm and display their own list of topics they’re excited about.

Get started with a template like the Learning Goals Poster or What I’m Going to Learn This Year.

04. Organize learning with a personal schedule

Make learning goals that much more visible with a schedule or planner that students design themselves. Oftentimes it’s a challenge to find a planner in a bookstore that accurately follows the school year or leaves enough room for writing down assignments, notes, and the like.

Students can easily create and update their own learning schedules with some of Canva’s templates. Try the Learning Schedule or Weekly Learning Planner to get started.

Weekly Learning Planner
Learning Schedule

As students begin to learn new material, have them record it in a fun, creative way—for instance, by using a flash card or graphic organizer tool. They could even take notes this way if it makes the process more exciting for them than using pencil and paper.

It’s a good idea to record basic concepts this way first, to get a general overview, before diving into more detail. Doing so will help students mentally organize the information, which facilitates learning and memory in the brain.

Have students try out an Illustrated Informational Graphic Organizer like the one below, which allows them to create a visual record of their learning.

Pink Violet Illustrated Informational Graphic Organizer

06. Engage in deeper learning with worksheets and reports

After students have a handle on the basics, you’ll want to assign projects and tasks that encourage them to examine topics more in depth. You’ll go into greater detail in lectures, and students will do assigned readings and projects to supplement your instruction.

Since deeper learning often requires a lot of reading, it’s a good idea to provide students with mental relief in the form of creative tasks. Have students create their own worksheets, quizzes, and reports so that they are forced to learn the material more thoroughly but are also exercising their creativity in the process.

Students can create and complete a worksheet like this Orange and Gray Patterned Writing Prompt Worksheet, which lets them engage in deeper learning while having fun with design.

Orange and Gray Patterned Writing Prompt Worksheet

07. Create photo collages of learning in action

Today’s students are very visual, posting daily photos of themselves and their activities on social media. It’s only sensible to meet them halfway and encourage this kind of visual record-keeping in the classroom as well.

Have students create photo collages that capture “learning in action.” Students can take photos of themselves or each other, but the idea is to make the learning process more visual. This will get them thinking about what learning “looks like,” from raising hands and working in groups to gathering data for a project outside the classroom or studying at home.

We’ve got some great templates for you to use on this front. Try a Learning Journeys Collage or My Week of Learning for starters.

08. Boost retention with memory aids

Educational psychologists have known for a long time that if you learn something in multiple ways—verbally, kinesthetically, visually, etc—you’ll remember it better.

There are also several studies that suggest we are all visual learners to some extent. This means we should be encouraging students to use visual graphics to supplement learning as often as possible.

Students will remember concepts better if they have a visual association or cue for them, so use visual forms of instruction and urge them to create visual forms of learning on a regular basis.

Get started with a template in the style of this Yellow & Black Global Warming Animal Agriculture Awareness Poster, which helps students remember facts they’ve read or heard since they have a visual memory aid to draw on too.

Yellow and Black Global Warming Animal Agriculture Awareness Poster

09. Motivate and collaborate with encouragement cards

Studying for exams can be stressful, but sometimes all students need is a reminder that they’re not in it alone. One way to help students stay motivated and to build collaboration among classmates is to have students design and send each other encouragement cards as Exam Day draws nearer.

There’s nothing like a little boost from your peer to say, “I’m in the same boat, and we’ve got this!”

Use a Learning Goals Poster or a Yellow Patterned Encouragement Card, below, to help your students get started.

10. Let students design their own quizzes

Weekly quizzes are great for boosting retention, but students tend to dread tests of any kind. What if we let them design their own?

Choose a week and have students use Canva to design their own quizzes. The next week, shuffle up the quizzes and return them to different students. Not only will this be a great exercise in creativity, but it will also help students anticipate what kinds of questions you might ask on the real exam.

You can use a template like the Violet Header Math Games Worksheet for inspiration.

Violet Header Math Games Worksheet

11. Summarize learning with a newsletter

This one could be a lot of fun. Instead of holding traditional review sessions where you summarize concepts and answer questions, have students create weekly “Learning Newsletters” to help them review what they’ve learned.

Research shows that regular recall of new information (i.e. weekly) supports long term memory better than one-off review sessions before exams. If different students are learning about different topics in a unit or approaching their learning in different ways, have them sign up for each other’s newsletters and give feedback on format and content.

Try a template like this Simple Black and White Typewriter Photo Newsletter, which illustrates how a Learning Newsletter might look. Just replace “Creative Picks” with “Learning Picks” and you’re on your way.

Simple Black and White Typewriter Photo Newsletter

12. Demonstrate mastery with an upgraded infographic or presentation

Once students have had a chance to process the new material, ask them to demonstrate it. Be sure to emphasize that this part of the learning process is not a test; it’s actually a way to help them retain what they’ve learned, as “learning by doing” strengthens memory for new concepts.

It will also help them compare what they know about the topic now with what they knew before instruction began. Save copies of the original and updated infographics to document improvements in learning.

Use a graphic like this Protecting Wildlife Presentation, which lets students sum up their learning in a fun, visual way.

Wildlife Presentation

13. Assess the learning process with a flow chart

The next step—and a very important one—is for students to assess how well their learning strategy worked.

If students managed to achieve large learning gains, which parts of the process contributed most to these? If they didn’t improve much overall, could this be attributed to weak points in the process? Ask students to visualize the following in a flow chart:

  • How they learned the topic (reading, listening, presenting, using Canva, etc.)
  • How long they spent learning the topic in class
  • How often they studied the topic on their own
  • How well they learned the topic (scores on exam and projects)

Help students create a graphic that illustrates their process, like the Design Process graphic below, so they can see where to make adjustments in their next learning endeavor.

Design Process

14. Recognize mastery with a learning certificate

Learning certificates aren’t just “gold stars” to make students feel special; they’re tangible records of a student’s educational achievements over time.

At the end of a unit, you might even let students create their own certificates, which is another chance for them to highlight and summarize main concepts and articulate the scope of their knowledge. And it doesn’t hurt to feel a little special from time to time.

Learning certificates can include the following information:

  • Which topic was mastered and when
  • Brief summary of concepts covered
  • Learning methods used

Try out a graphic like this Academic Excellence Certificate, which you can use to recognize achievement as well as let students highlight what they’ve learned.

Academic Excellence Certificate

15. Record knowledge in a learning portfolio

With so much information covered each year, it’s crucial for students to keep reminders of what they’ve learned. Otherwise, it starts slipping through the cracks of memory. That’s where learning portfolios come in handy.

All of the graphics in this post can be added to a digital (or printed) learning portfolio that students can keep at hand throughout their school years. When they look back at them later, they’ll see:

  • Which topics they learned, and when
  • How well they learned the topics
  • How they’ve improved at learning over time

Learning portfolios are also great to have when it comes time to apply to university, so have students start adding to them sooner rather than later.

Try a chapbook-style portfolio like the Pastel Pink Typography Portfolio General Table of Contents, which uses a table of contents for easy organization, or the Learning Scrapbook format for a more relaxed presentation.

Pastel Pink Typography Portfolio General Table of Contents
Learning Scrapbook

Making the learning process more visible helps students become better learners by making them more aware of their own habits.

When they can see the overall narrative of their learning journey, they can take measures to improve on or maintain their study tactics, exam taking techniques, and knowledge curation.

Doing so encourages them to identify as purposeful learners, not just students with academic requirements to fulfil, and empowers them to take learning into their own hands.

The post 15 Practical Ways to Make the Learning Process More Visible appeared first on Learn.

Source link